terça-feira, 25 de julho de 2017

O Meu Nome é Alice, Lisa Genova

Sinopse 

O mundo de Alice é quase perfeito. É professora em Harvard, vive com o marido uma relação que resiste à passagem dos anos, às exigências da carreira, à partida dos filhos. E tem também uma mente brilhante, admirada por todos, uma mente que não falha…Um dia porém, a meio de uma conferência, há uma palavra que lhe escapa. É só uma palavra, um brevíssimo lapso. Mas é também um sinal, o primeiro, de que o mundo de Alice começa a ruir. Seguem-se as idas ao médico, as perguntas, os exames e, por fim, a certeza de um diagnóstico terrível. Aos poucos, quase sem dar por isso, Alice vê a vida a fugir-lhe das mãos. Ama o marido intensamente, ama os filhos, e todos eles estão ali, à sua volta. Ela é que já não está, é ela que se afasta, suavemente embalada pelo esquecimento, levada pela doença de Alzheimer. "O Meu Nome é Alice" é a narrativa trágica, dolorosa, de uma descida ao abismo. É o retrato de uma mulher indomável, em luta contra as traições da mente, tenazmente agarrada à ideia de si mesma, à memória da sua vida, à memória de um amor imenso. 
Opinião 
Este livro não é chocante. Eu estava à espera que o fosse. Muito pelo contrário: é subtil. Muito subtil. Este é daqueles livros que só faz efeito dois ou três dias depois, quando passa a adrenalina e o cérebro consegue racionalizar e interiorizar a história.
Alice é uma professora universitária de renome. Notou que algo estava errado quando, a meio de uma palestra, não consegue concluir uma frase. Sabia o que queria dizer, sabia que conhecia a palavra que necessitava para finalizar o raciocínio, mas não conseguiu proferi-la. 
Alice é diagnosticada logo no princípio do livro portanto, sabemos à partida, que todo o livro vai ser sobre o processo de decadência da sua saúde mental. 
A novidade desta narrativa em particular é a maneira como a história é contada - na primeira pessoa. Portanto, nós não acompanhamos a historia da perspectiva do marido nem dos filhos, mas sim a dela mesmo e é isso que torna toda a leitura tão subtil e com efeito de ressaca tão retardado. 
Claro que também acompanhamos o drama familiar, a procura pelos tratamentos experimentais porque a esperança nunca deixa baixar os braços, o marido que se refugia no trabalho porque, a certa altura, a situação torna-se pesada demais para se lidar.   
A parte que me fez ''o clique'' para entender o que se passa dentro da cabeça de um doente de Alzheimer foi quando Alice, que ia correr com o marido, subiu as escadas para ir buscar um casaco; ao entrar no quarto, viu os seus óculos e livro em cima da mesa de cabeceira, pegou neles, voltou a descer as escadas e aninhou-se no sofá para retomar a sua leitura. Então é este tipo de situações que vamos encontrar até à última página, progressivamente.
É um livro baseada em testemunhos reais e muita pesquisa acerca do Alzheimer: ajuda-nos a compreender as pessoas que sofrem deste mal que afecta tanta gente; coloca-nos na sua pele e ajuda-nos a entender como acontece todo este processo gradual da perda das faculdades mentais. 

Sem comentários:

Enviar um comentário